Dossier de Mercado Guiné Equatorial

Desde a descoberta de petróleo e de gás, na década de 90, que a República da Guiné Equatorial tem recebido avultados investimentos estrangeiros naquele setor.

A extração de hidrocarbonetos tornou-se, assim, o principal eixo de desenvolvimento do país, representando 87,3% do PIB. Os grandes fluxos financeiros daquela indústria levaram a um crescimento excecional, traduzindo-se num desenvolvimento acelerado das infraestruturas e da expansão da urbanização do país. O dinamismo da economia do país chegou a atingir a maior taxa média de crescimento do PIB do mundo, entre 2004 e 2008: 16,3%. O desejo das populações em melhorar o seu nível de vida, fez com que elas se deslocassem das zonas rurais para zonas urbanas, aumentando a mão-de-obra na indústria petrolífera.

A agricultura tem um grande potencial na Guiné Equatorial, devido às condições favoráveis de clima e de geografia, havendo terra disponível e solo altamente fértil – especialmente nas ilhas vulcânicas. Apesar da diversidade produtiva, trata-se de agricultura de subsistência, só satisfaz 30% da procura doméstica. Há, por conseguinte, oportunidades de crescimento ao longo de toda a cadeia de valor da agricultura e pecuária. Tome-se o exemplo da abundância de recursos hídricos, estimando-se em 30 mil ha de potencial de regadio, ainda não aproveitado. Para satisfazer os restantes 70% de procura alimentar, a Guiné Equatorial tem de importar, nomeadamente, grandes quantidades de carne, cereais, arroz e trigo. O total das importações do setor, em 2014, foi de 326,6 milhões de dólares, com uma tendência positiva nos últimos anos, tendo Espanha como o seu maior fornecedor. Segundo dados do GPP, as exportações agroalimentares para a Guiné Equatorial são dominadas pelos produtos de cereais e pelas bebidas.

Há, assim, grandes oportunidades para os empresários portugueses, do setor agroalimentar, encontrarem ali clientes e exportar os seus produtos. A satisfação destas necessidades e a integração na CPLP abre, para as empresas portuguesas, um mercado já habituado a consumir e a valorizar produtos de origem ibérica, aumentando a aceitação, por parte dos consumidores guinéu-equatorianos, dos produtos portugueses. 



Através deste documento

A CAL – Câmara Agrícola Lusófona pretende disponibilizar diversos dados no âmbito do agronegócio local, com vista a incrementar o relacionamento estratégico entre Portugal e Guiné Equatorial.


Poderá encontrar neste documento

  • Enquadramento
  • Caracterização geral
  • Caracterização Físico-Geográfica
  • Enquadramento Histórico e Político
  • Caracterização Económica
  • Setor Agrícola
  • Setor Pesqueiro
  • Comércio Internacional
  • Comércio agro-alimentar bilateral Portugal - Guiné Equatorial
  • Portos da Guiné Equatorial
  • Regime de investimento na Guiné Equatorial
  • Contactos e informações